"O que importa a surdez dos ouvidos quando a mente escuta? A única surdez verdadeira, a surdez incurável, é a surdez da mente". - Victor Hugo

sexta-feira, 14 de março de 2008

O desafio de não se calar



O artigo que segue abaixo nos foi enviado pela leitora assídua desse blog, *Silvia Pina. Levando em conta os argumentos tão espontâneos resolvemos transcrevê-lo na integra para a apreciação dos nossos leitores.

O desafio de não calar



Em um país que vive em meio a situações conflitantes, desfalque aqui, suborno acolá, senador corrupto absolvido e outras coisa que nos fazem pasmar, paramos para pensar e chegamos a conclusão que a injustiça e a impunidade imperam. Mas por quê? Por que será que a injustiça e a impunidade têm que dominar? Por que temos que viver no meio de tudo isso quietos e acomodados? A resposta é simples: porque aquelas pessoas que vivem de forma correta e que gostariam de ver a justiça ser aplicada retamente silenciam.
Uma frase marcante de Martin Luther King (foto) diz o seguinte: “O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”.
O silêncio dos bons! Este custa muito caro. Custa as verbas disponibilizadas para educação que não são usadas corretamente. Custa a falta de assistência social a tantas crianças que estão pelas ruas. Custa a falta de assistência médica, o fechamento de hospitais, a miséria. Custa tanto que não teríamos como enumerar as conseqüências causadas por ele. Diante disso aparecem outras questões: por que silenciar? Por que agir como mero expectador deixando que sobressaia “o grito dos violentos, dos sem caráter, dos sem éticas”? Enquanto “os bons” estão a silenciar eles estão a deixar ecoar seus gritos. E esses gritos ecoados são nada mais nada menos emitidos para intimidar os que silenciam e fazer que o silêncio continue. Na verdade são gritos temerosos, por saber que se o silêncio for rompido eles já não mais terão forças e estarão fadados ao fim, não terão como vencer.
Por fim eis um desafio: romper o silêncio dos bons. Fazer ouvir a voz daqueles que, inconformados com a situação vigente, querem ver mudanças, uma sociedade melhor e mais justa.

* Silvia Pina, é professora da rede Pública de ensino, e Psicanalista.