"O que importa a surdez dos ouvidos quando a mente escuta? A única surdez verdadeira, a surdez incurável, é a surdez da mente". - Victor Hugo

domingo, 2 de maio de 2010

Encontro Marcado

Quis passar um domingo diferente. Então fui ao cinema. Assisti "Iron Man 2". Um filme engraçado e bem dirigido. Em seguida fui a livraria comprar... como sempre livros. Comprei dois, um para dar de presente a uma amiga e o outro para preencher minha biblioteca pessoal.

Ao sentar na praça de alimentação fiquei olhando aquela aglomeração de pessoas, como sempre o shopping lotado, um dos poucos refurgios que ainda temos em Aracaju.

Fiquei ali parado durante mais ou menos uma hora. Notando o que as pessoas faziam, os gestos. Vi casais felizes, casais apáticos, e ainda pessoas paquerando. Mas ao mudar de posição fiquei de fronte para um jovem, de aparência média, com um livro na mão. Fique imaginando o que se passava com aquele rapaz. Ele me parecia impaciente, as vezes triste, e as vezes cansado. Nem sei o que de fato sentia.

Ele ficava observando as pessoas que passavam, os casais, as crianças. e fiquei a questionar. O que de fato aquele cara faz ali sozinho? O que será que ocorreu?. Acho que é solidão. Sempre que passava um casal ele mudava o semblante de impaciente a triste.

Meu sorvete derreteu. Que se dane o sorvete, compro outro depois. O jovem continuava ali, parado. E também parei involuntariamente. Nossa, acordei! Levanta cara, se for paixão liga logo para ela, mas não fica ai parado sem ação. Vai em busca da mulher da sua vida para ser feliz meu caro. 

A telepatia parecia não funcionar. Estão resolvi apelar. Idiota levante dessa cadeira, que já estou impaciente de está esperando sua atitude!

Eu acabei caindo na real. Estava diante de um espelho que fica na vitrine de uma loja de sapatos! Então aquele cara era a minha imagem e semelhança. Era eu mesmo.

Percebi que a pior solidão é quando estamos em meio a uma multidão e mesmo assim nos sentimos sozinhos. Como bem disse o velho Vinicius de Moraes "A vida é arte de encontros, embora haja tantos desencontros pela vida." E encontrar comigo mesmo foi a melhor de todas as artes que já produzi.

Ao ser entrevistado pela revista fiandeira de São Paulo, falei que, o ser humano nunca será feliz por completo, sempre vai lhe faltar algo. Hoje acrescentaria: O ser humano pode não ser feliz por completo, mas pode ser triste por completo. Portanto nos resta uma alternativa sincera, procurar ser feliz, pois felicidade é uma busca. Ao encontrar comigo mesmo, encontrei a felicidade, ainda que passivamente...

Nenhum comentário: