"O que importa a surdez dos ouvidos quando a mente escuta? A única surdez verdadeira, a surdez incurável, é a surdez da mente". - Victor Hugo

quarta-feira, 27 de abril de 2011

O MAR DE MINHA ADOLESCÊNCIA

Quando o mar de minha adolescência secar,
Já não serei tão adulto,
Gozarei de minha infância interior.
Já não medirei palavras,
Nem julgarei opiniões alheias,
Descansarei na dor exterior.

Quando o mar de minha infância secar,
Já não morrerei um dia com o pôr do sol,
Serei idoso demais, querendo ser adulto.
Já não meditarei em meu bojo,
Nem desafiarei meu destino
Seremos sempre intimamente (ex) amigos.

EMERSON MACIEL
Laranjeiras - SE

Um comentário:

Luciana Novais disse...

como o poeta por excelência que você é, o que eu leio é um eu lírico que traz uma sensação de transformação, logo sinto que a cada passo que o ser humano dá em sua existência, fica a nostalgia de um tempo passado, passado objetivamente, mas presente, sempre vivo no interior de cada um. Quando se é adolescente se deseja chegar a fase adulta, quando se é idoso o desejo é o de retornar a fase adulta, quiçá a adolescência.
Parabéns, poeta, você consegue sentir e extrair os conflitos do gênero humano, que estão presentes na vida do ser humano em si, sem prioridades, você alcança, como diz Lukács em sua estética literária, a universalidade da poesia, partindo de uma particularidade do ser humano.

só posso dizer parabéns, e com a certeza de que muito ainda se tem a falar sobre esse poema.