"O que importa a surdez dos ouvidos quando a mente escuta? A única surdez verdadeira, a surdez incurável, é a surdez da mente". - Victor Hugo

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

GUSTAVE FLAUBERT, O Precursor do Realismo.


GUSTAVE FLAUBERT, escritor francês, nasceu em Rouen em 21 de dezembro de 1821 e faleceu em Croisset, perto de Rouen, a 8 de maio de 1880. Filho de um cirurgião, Flaubert cresceu no meio de todas as misérias humanas e delas se afastou ao ingressar no Colégio Real, sendo entusiamado pela poesia e pelo romance. Apaixonou-se aos 15 anos por Elisa Schlésinger – casada, com um filho, e 15 anos mais velha que ele. A paixão o acompanhou por toda a vida, inspirando-o, anos depois, uma literatura romântica, entremeada de melancolia. Em 1840, freqüenta os cursos da Faculdade de Direito, abandonando os estudos desiludido com os acontecimentos da Revolução de 1848. Ao escrever a obra Madame Bovary, criou-se um processo por “ofensa à moral pública e religiosa” que o levou a julgamento. Ao ser perguntado em júri quem teria sido o modelo do personagem, sua resposta foi histórica: “Madame Bovary sou eu.” Essa obra é considerada um dos mais importantes romances da literatura francesa, sendo considerada perfeita obra de arte. Retirou-se para seu sítio em Croisset, dedicando os restantes 30 anos de sua vida ao trabalho literário, em quase solidão total.     
Algumas obras: Madame Bovary (1857), A Educação Sentimental (1869).

FRASES:
* “A fraternidade é uma das mais belas invenções da hipocrisia social.”
* “Ninguém deve pensar que sentimento é tudo. A arte não é outra coisa além da forma."
* “Tenha cuidado com a tristeza. É um vício.”
* “O que o dinheiro faz por nós não compensa o que fazemos por ele.”

* “Talento significa uma enorme paciência.”* “E depois, não lhe parece [...] que o espírito vagueia mais livremente por aquela extensão sem limites, cuja contemplação nos eleva a alma, e nos dá idéias do infinito, do ideal?
FONTE:  Poetizando.

Nenhum comentário: